Por que o Blockchain é o futuro do Mercado Imobiliário?

Este artigo é uma tradução/adequação realizada pela Alphaplan Inteligência em Pesquisas do artigo original de Ragnar Lifthrasir: What Is Blockchain And How Does It Apply To Real Estate?

A internet tornou possível que indivíduos transfiram informação de forma rápida, barata e desburocratizada. Similarmente, a tecnologia de blockchain oferece as mesmas vantagens para a transferência de VALOR. Você usa a internet para transferir palavras e imagens. Você usa plataformas de blockchain para transferir dinheiro e ativos.

Blockchains consistem, basicamente, em registros de transações distribuídos e uma criptomoeda. Quando as pessoas dizem “O Blockchain”, 85% das vezes estão se referindo ao Bitcoin, 10% ao Ethereum e 5% a outros projetos.

 

O Blockchain poderá mudar o mercado imobiliário de quatro maneiras:

1 – “Desintermediação”

2 – Prevenção à fraude

3 – Dinheiro 2.0

4 – Contratos inteligentes

1 – “DESINTERMEDIAÇÃO”

Transações imobiliárias são incômodas, complexas e onerosas por conta de um processo que passa por muitas “mãos”: corretores, registros de propriedade estatais, companhias de títulos: Registros de propriedade e seguros, Companhias de Garantia, Fiscais e avaliadores, Cartórios e tabeliões.

Atualmente, estes intermediários existem porque eles possuem uma informação que você não consegue acessar ou não tem as habilidades ou licenças necessárias para operar no existente ecossistema de transações de propriedade. Blockchains públicos são uma base de dados, onde qualquer um pode registrar informações, sem censura ou necessidade de permissão. Da mesma forma, qualquer um pode acessar tais informações.

Títulos. Cartórios municipais e companhias de seguro mantém várias bases de dados de registros de propriedade. Essas informações incluem endereço, proprietários atuais e antigos e ônus como hipotecas. Antes da internet, o governo e as companhias de títulos eram necessárias para verificar e registrar esses dados. Como o Blockchain pode substituir estes intermediários?

“O Blockchain vai possibilitar que toda propriedade, em qualquer lugar, tenha um endereço digital correspondente que contenha informações habitacionais, financeiras, legais e estruturais, e atributos físicos que mantenham todos o histórico de transações e os transmitam perpetuamente. Adicionalmente, os dados estarão instantaneamente disponíveis online e serão correlacionáveis por todas as propriedades. A velocidade para transacionar passará de dias/semanas/meses para minutos ou segundos.”Jason Ray, 02 de Novembro de 2015.

E, fica ainda melhor! Atualmente, o título de propriedade é um pedaço de papel. Para transferir uma propriedade, você precisa preencher um formulário em uma folha de papel, assinar com uma caneta, se dirigir a um tabelião que o carimba e então levar este papel ao cartório municipal de registro de propriedade para que este seja guardado em sua base de dados. Tempo e dinheiro desperdiçados. Em vez de um título de papel, o Bitcoin ou Ethereum podem criar um título digital, que consiste em um token seguramente criptografado que pode ser transferido de forma tão fácil, rápida e barata quanto um e-mail.

Antes do e-mail, para enviar uma carta, você precisava de envelopes, selos, caminhões, instalações de triagem e trabalhadores para organizar e distribuir a correspondência. A digitalização das mensagens desintermediou o mercado postal.

2 – PREVENÇÃO À FRAUDE

 “Oferecendo uma ferramenta 100% incorruptível, onde o remetente e o destinatário dos fundos estão logados e onde os “certificados digitais de propriedade” estão salvos, o Blockchain iria, efetivamente, fazer da falsificação de títulos de propriedade e da falsificação de anúncios uma coisa do passado. O “certificado digital de propriedade” único seria quase impossível de replicar, e seria diretamente ligado a uma única propriedade no sistema, fazendo da venda ou anúncio de propriedades que você não possui quase impossível.”Don Oparah, 06 de Fevereiro de 2016

 

3 – DINHEIRO 2.0

O Bitcoin é uma moeda digital. O Ethereum tem o seu token “Ether”. Diferentemente do Dólar ou do Euro, as moedas de blockchain não são um papel que então é representado por um software, mas sim 100% software desde a sua criação. O poder do software é a sua programabilidade. Você pode codificá-lo para tocar música. Sem um software, você precisaria de humanos com guitarras. O poder da criptomoeda é que você pode programá-la para se auto garantir e distribuir. Com o dinheiro convencional, você precisa de humanos e bancos.

Quando alguém aluga um apartamento, o proprietário cobra um depósito de garantia para o caso de o locatário danificar a propriedade. Por lei, ele deve manter estes fundos em uma conta de garantia separada e não gastá-los. Uma vez que o contrato de aluguel chega ao fim, o locatário deve confiar na boa-fé do proprietário em devolver o depósito. Mas, se algum dia você comparecesse ao tribunal de pequenas causas, saberia o quão frequentemente o sistema baseado na confiança no ser humano falha.

O Bitcoin possui uma função chamada multi-assinatura. No Bitcoin, você usa sua chave particular para aprovar o envio da moeda digital para outra pessoa. Com a multi-assinatura, você pode criar uma transação com três chaves particulares, onde ao menos duas são requeridas para continuar.

O Bitcoin pode ser usado para criar uma garantia programável. Em vez de enviar dólares a uma conta bancária do proprietário, o locatário e o proprietário criam uma transação com multi-assinatura. Cada um dos agentes possui uma chave particular, enquanto a terceira é dada para uma terceira pessoa neutra (mediador). Para que o depósito de garantia seja gasto, duas das três pessoas precisarão utilizar sua chave. Os fundos ficam trancados em cripto-garantia durante o contrato de locação.

O locatário quase sempre irá querer seu depósito de volta, e então ele aprovará a transação com sua chave. Quando o contrato termina, se o locatário não danificou a propriedade, o proprietário usa sua chave para liberar o depósito em bitcoin.

Se o locatário danificou a propriedade, então o proprietário enviará evidências para o mediador. O locatário tem direito a réplica. Depois de o mediador ouvir ambos os lados, ele usará sua chave particular para enviar o depósito à parte vencedora. O Bitcoin pode ser enviado instantaneamente, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Sem esperar por papelada enviada por correspondência ou ter que lidar com encaminhamentos, contabilidade e horários bancários para uma simples transferência.

Ao usar bitcoin, a garantia imobiliária pode ser feita de maneira mais segura, rápida e barata. Bitcoin é o Dinheiro 2.0 também porque é resistente à censura. A China tenta manter um rígido controle de sua moeda, o Renminbi. Os cidadãos sofrem restrições para enviar o equivalente a $50.000,00 para fora do país por pessoa, por ano. Este ano, famílias Chinesas representaram, pela primeira vez, o maior grupo de importadores de produtos americanos.

O Bitcoin não é mantido em contas bancárias mas em carteiras digitais armazenadas em seu computador ou smartphone.

 

4 – CONTRATOS INTELIGENTES

Protocolos de Blockchain como o Bitcoin e Ethereum tem a habilidade de realizar “Contratos Inteligentes”. Este conceito iniciou com Nick Szabo. Ele deu o exemplo de uma máquina de refrigerantes, que libera o produto selecionado após o depósito do valor correto. O objetivo de um contrato inteligente é reduzir a necessidade de humanos para processar e autorizar um acordo. Um software automatiza e auto-executa uma ação quando certas condições são cumpridas. Como um contrato inteligente poderia ser usado em uma contrato de propriedade?

“Examinando uma transação imobiliária simples, podemos verificar como contratos inteligentes poderiam alterar drasticamente a maneira como os negócios são conduzidos. Atualmente, os agentes A e B entrariam em um contrato que requer que A pague $200.000,00 para B, em troca de B aceitar transferir o título de propriedade de seu apartamento para A, após o recebimento do dinheiro. Se A paga a quantia em dinheiro, mas B se recusa, depois a transferir o título, A é obrigado a contratar um advogado para buscar as especificidades do contrato ou para obter o ressarcimento dos danos. O desfecho será determinado por uma terceira parte: um juíz, júri ou mediador.

Usar um contrato inteligente, entretanto, evita que uma das partes cumpra combinado enquanto a outra parte se recusa ou falha ao tentar cumprir. Usando um contrato inteligente, os agentes A e B podem concordar com a mesma transação, mas estruturá-la de maneira diferente. Neste cenário, A irá concordar em pagar $200.000,00 valores de moeda virtual para B, e B irá concordar em transferir o título de propriedade do apartamento em um tipo especializado de moeda no Blockchain. Quando A transfere a moeda virtual para B, essa ação serve como gatilho para que B envie, automaticamente, a moeda especializada que significa o título do imóvel para A. A transferência está completa, e a propriedade do imóvel por A é verificável através de um registro público no Blockchain.

Estruturar esta ação como um contrato inteligente assegura que a transferência ocorra assim que os fundos são recebidos, e resulta em um registro disponível publicamente para verificação. Porque o contrato é executado automaticamente baseado nas regras pré determinadas e aceitas pelas partes do contrato, há um risco menor de fraude, e portanto, nenhuma necessidade de medidas externas para forçar a execução do que foi acordado. Logo, nenhuma medida específica seria necessária para compelir a transferência do título após o pagamento porque a moeda, que representa o título, é automaticamente transferida e a transferência é automaticamente publicada no Blockchain.  – Drew Hinkes, 29 de Julho de 2014.